top of page
  • Foto do escritorPerfurarte

Poço artesiano: principais cuidados com a água para consumo humano

A água de poços artesianos é obtida de forma bruta, ou seja, não tratada. Sendo assim, é preciso seguir alguns cuidados para poder consumi-la 


Mão enchendo copo de água em torneira

Quando perfuramos um poço artesiano, a água obtida pode ter qualidades diferentes. Ela pode ou não ser segura para consumo humano, e suas propriedades podem mudar ao longo do tempo - tornando-se insalubre com o passar dos anos devido a algum tipo de contaminação, por exemplo.


Para garantir que a água de poços artesianos não faça mal à saúde, a legislação brasileira afirma que é preciso que ela atenda aos parâmetros de potabilidade da Portaria nº 888 do Ministério da Saúde, de 2021.


Entenda o que isso significa e veja quais cuidados você deve ter com o seu poço para se certificar de que a água é segura para consumo:

 

5 cuidados essenciais com o poço artesiano


Segundo as orientações das legislações e normas técnicas, é importante ficar atento aos seguintes pontos:

 

1 – Vedação com camada sanitária


A água do seu poço só será segura se ele tiver sido bem construído. Poços caipiras muito rasos ou feitos sem regularização muitas vezes captam água de camadas muito superficiais, contaminadas por agrotóxicos, fezes, restos animais e outras substâncias.


O ideal é que o poço capte água de reservas subterrâneas mais profundas, como aquíferos. Além disso, a etapa de selo sanitário é essencial para garantir que esse poço não se contamine com a água da chuva e com outros resíduos que ficam ao seu redor, nas camadas mais superficiais do solo.

 

2 - Análise da água


Você só saberá se a água é segura para beber ao realizar uma análise físico-química e bacteriológica da água. Mesmo que ela pareça límpida, pode ter perigos invisíveis, como bactérias. Com o teste, você examina diversos aspectos como cor, turbidez, pH, presença de coliformes etc.


Ao conhecer as características da amostra, você saberá se tem algo nela - como a presença de contaminantes, de ferro, manganês, E. coli - que exige determinado tratamento.


Vale observar que o correto é repetir essa análise regularmente. Como falamos no início deste artigo, as propriedades da água podem mudar com o tempo e as circunstâncias.

 

3 – Tratamento com cloro


Segundo a Portaria nº 888, mesmo que não precise de outros tipos de tratamento, a água precisa de ao menos um sistema de cloração para ser considerada potável.


Ao adicionar uma solução de hipoclorito de sódio à água, é possível gerar cloro residual livre, capaz de neutralizar algum organismo causador de doenças que por acaso esteja presente.


Há regras sobre quantidade de cloro a ser adicionada. O ideal não é fazer isso por conta, mas sim ter um projeto desenhado por um especialista.

 


4 – Manutenção regular


Um poço bem construído precisa ser bem mantido para continuar seguro e livre de contaminações.


A recomendação é realizar uma manutenção preventiva com limpeza dos componentes do poço a cada um ou dois anos. A frequência pode ser maior no caso de poços mais antigos.


É importante ainda ficar atento a sinais de mau funcionamento – uma mudança repentina nas propriedades da água, como gosto, cor ou cheiro, ou na eficácia da bomba, como uma diminuição na vazão, podem ser indicativos de que algo está errado e precisa ser verificado.

 

5 - Armazenamento correto da água


De nada adianta cuidar do poço, analisar e tratar a água se ela ficar armazenada em lugares pouco higiênicos. Os melhores recipientes são caixas d’água e garrafas de vidro, mas eles devem ser limpos regularmente e mantidos em locais protegidos.

 

Água de poço e a responsabilidade sanitária


Todo e qualquer poço precisa ser construído com licença ambiental e possuir outorga para funcionamento. Poços não regularizados não representam apenas um risco de multas, mas também riscos ambientais e sanitários. Cuidar do seu poço é cuidar da sua saúde e de sua família.


No caso de poços para empresas, há ainda mais responsabilidades legais envolvidas. Outras permissões podem ser necessárias, junto à órgãos como a Vigilância Sanitária e a CETESB (no caso do estado de São Paulo).


Nestes casos, um melhor controle da qualidade da água é interessante. Para isso, o monitoramento constante do consumo é recomendado. Um sistema IoT 24 horas é capaz de identificar padrões e falhas, além de prevenir desperdícios e alertar para problemas de qualidade.

Precisa de ajuda para perfurar um poço artesiano de alta qualidade? Mande uma mensagem para nossos especialistas! Estamos prontos para te atender.

Caso queira saber mais sobre a legislação de poços artesianos, confira os seguintes conteúdos detalhados:


17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Commentaires


bottom of page