Buscar
  • Perfurarte

Conheça a legislação sobre poços artesianos: da licença ambiental até a outorga de uso da água

Atualizado: há 7 dias

Para perfurar um poço artesiano e utilizar sua água, é preciso ter uma licença ambiental e talvez uma outorga. Conheça todo o processo de regularização de poços artesianos em São Paulo e Minas Gerais



Muitas vezes, ter um poço é a melhor solução para pessoas que precisam de água e não tem outro meio de abastecimento, ou para empresas que querem economizar.


Para perfurar um poço e utilizar sua água, no entanto, é preciso ter certas licenças e outorgas. Você provavelmente já ouviu falar de várias autorizações diferentes, e ficou confuso sobre toda essa papelada.


De fato, o processo de regularização de poços artesianos envolve alguns passos, como a licença ambiental de perfuração e a outorga de uso da água. Além disso, esse processo é diferente em cada estado brasileiro, uma vez que a legislação sobre isso é estadual.


Saiba como funciona a legislação de poços artesianos em São Paulo e Minas Gerais, e por que ela é importante.


Poço artesiano é legal?


Sim, ter um poço artesiano é permitido por lei. Aliás, é possível construir qualquer tipo de poço – seja ele caipira, semi artesiano, ou artesiano – desde que você obtenha as autorizações necessárias.


A principal delas é a licença de perfuração, um tipo de licença ambiental exigida para a construção de todo e qualquer tipo de poço de água.


Uma vez pronto, você pode ter que pedir outra autorização: a outorga que dá direito à utilização da água, considerada um bem do Estado ou da União.


Por que preciso pedir essas autorizações?


A regularização de poços artesianos é essencial para garantir a qualidade da água e seu bom uso ambiental, além de ser obrigatória por lei.


Poços artesianos irregulares podem ter problemas graves. Um dos principais é água contaminada, com o potencial de transmitir e causar doenças.


Além disso, a construção de poços clandestinos pode contribuir para a escassez dos aquíferos ou até contaminar todo o lençol freático de uma região.


Como funciona o processo de regularização


Para ter um poço artesiano totalmente regularizado, dentro das normas e leis, é necessário obter a licença ambiental antes de construí-lo.


Essa autorização só é concedida com um estudo prévio do solo e a apresentação do planejamento da obra, para garantir que os recursos naturais serão utilizados com segurança e consciência.


Uma empresa que fura poço artesiano séria sempre realiza esse processo junto a seus clientes, ou seja, pede a autorização antes de iniciar a obra. Isso deve estar incluso no valor do poço.


Dito isso, você também pode legalizar um poço previamente construído – explicaremos melhor em seguida.


Regularização de poços artesianos em Minas Gerais


Já mencionamos que o processo de licença ambiental é diferente em cada estado brasileiro, e depende de um órgão estadual competente.


Em Minas Gerais, a autorização é concedida pelo Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM).


Primeiro, é preciso preencher um Formulário para Caracterização do Empreendimento (FCE).

Esse formulário reúne várias autorizações ao mesmo tempo: o pedido de Licença Ambiental; a Autorização Ambiental de Funcionamento; a Outorga de Direito de Uso de Recursos Hídricos; e o Documento Autorizativo para Intervenção Ambiental.


Em seguida, é preciso protocolar o FCE junto à uma Superintendência Regional de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SUPRAM).


Por último, o Formulário de Orientação Básico (FOB) é gerado. Nele, você vai encontrar as informações e estudos técnicos necessários que precisa apresentar para concluir o processo.


Somente um profissional qualificado e habilitado pode realizar esses estudos. Toda boa empresa de perfuração possui um profissional desse tipo, capacitado para fazer todos os procedimentos técnicos necessários e registrado no CREA (Conselhos Regionais de Engenharia e Agronomia).


Em conjunto, esses documentos fazem três coisas importantes:


· registram o tipo de poço desejado, os detalhes da obra e a finalidade de uso da água, ou seja, de forma ela será utilizada;

· conduzem um estudo de viabilidade, o que garante a segurança da obra e protege o meio ambiente;

· e geram um parecer técnico que avalia os riscos de contaminação da reserva de água.


Uma vez que todas as informações necessárias são apresentadas, se estiver tudo certo, a licença é concedida.


Regularização de poços artesianos em São Paulo


Em São Paulo, as autorizações de perfuração são pedidas ao Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE).


Para obter a licença, é preciso preencher um formulário com várias informações, que pode ser protocolado online.


Da mesma forma que em Minas Gerais, um Estudo de Viabilidade de Implantação (EVI) pode ser solicitado. Esse estudo tem que ser feito por um profissional.


Por fim, é importante lembrar que o estado paulista possui regiões protegidas, chamadas de Áreas de Preservação Permanente (APP) ou Áreas Especialmente Protegidas (AEP). Se a obra do poço afetar essas áreas, um Parecer Técnico Ambiental também é necessário.


O resultado do processo é o mesmo: se todas as informações apresentadas estiverem corretas, a licença é concedida. Isso pode demorar cerca de 60 dias.


Outorga para utilização da água de poços artesianos


Uma vez que o poço estiver construído, você pode precisar de uma outorga.


Dependendo de quanta água você utilizará por dia e da finalidade de uso, você precisa ter esse documento, que irá assegurar o seu direito legal aos recursos hídricos.


O objetivo desse processo é controlar quanta água subterrânea é utilizada, para não prejudicar o meio ambiente e não faltar para ninguém.


Em alguns casos, é possível obter a dispensa de outorga, ou seja, você fica livre desse compromisso. A dispensa também muda de acordo com legislações regionais, mas, normalmente, é concedida quando pouca água é utilizada, como volumes iguais ou inferiores a 15 metros cúbicos por dia, por exemplo.


Como obter uma outorga


Para conseguir a outorga, é necessário apresentar certa documentação ao órgão estadual competente - no caso de Minas, o IGAM, e de São Paulo, o DAEE.


Essa documentação geralmente inclui formulários, cópias de documentos pessoais e relatórios técnicos. Você pode ver a lista do IGAM aqui e do DAEE aqui.


É importante lembrar que outorgas possuem prazos de validade. Nos estados citados, elas valem por 5 anos e precisam ser renovadas antes do vencimento.


Você pode até pensar que isso é burocracia ou exagero, mas não é. A qualidade e o nível da água podem mudar com o tempo. Assim, é importante avaliar novamente a quantidade de água de seu poço e se ela continua boa para utilização e consumo.


Regularização de poços artesianos já perfurados


Se o seu poço artesiano já está construído, mas ainda não possui licença, você também pode – e deve - regularizá-lo.


O processo é parecido: você precisa preencher documentos que detalham as características do poço e informam como você utiliza a água. A ajuda de um profissional habilitado para fazer relatórios técnicos é indispensável.


Os perigos de poços artesianos irregulares


Um poço artesiano totalmente legalizado pelos órgãos competentes respeita todas as leis e regras para sua utilização. Logo, não causa danos ao meio ambiente, nem à saúde das pessoas.


"Você até pode ter um posto bem construído, mas, se não segue as exigências e os procedimentos da vigilância sanitária, é como se tivesse um carro sem manutenção", disse o professor Ricardo Hirata, do Centro de Pesquisas de Águas Subterrâneas da Universidade de São Paulo (CESP-USP), coordenador de um estudo do Instituto Trata Brasil, ao G1.


Para evitar perigos, dois pontos importantes devem ser considerados: saber se a região onde o poço será construído tem condições de recebê-lo (ou seja, se não vai sobrecarregar o lençol freático ou o aquífero) e, uma vez perfurado, saber se essa água pode ser utilizada.


Problemas de qualidade podem ocorrer por vários motivos. Por exemplo, através da contaminação por atividades existentes no entorno, como esgotos, depósito de resíduos sólidos, armazenamento de produtos e combustíveis etc. Também podem ocorrer por conta de características naturais da rocha.


Além disso, elementos como nitrato, nitritos e coliformes podem ser encontrados na água de poços artesianos irregulares, substâncias associadas a doenças tanto simples quanto graves, como diarreia, hepatite e câncer.


Uma pesquisa realizada no sudoeste do Paraná, por exemplo, analisou amostras de poços profundos da região e descobriu que 32,3% delas possuíam níveis de nitrato maiores do que o permitido por lei. Essa é provavelmente uma das principais causas de contaminação de águas subterrâneas e de problemas de saúde em pessoas que bebem esta água.


Poço artesiano é crime ambiental?


A maioria dos poços artesianos no país é ilegal - somente pouco mais de 1% é regularizado, levantou o Instituto Trata Brasil.


Ainda assim, a perfuração ou a operação de poços artesianos sem as devidas autorizações e licenças pode levar a multas e à proibição da atividade.


Mais do que isso, pode ser considerado crime ambiental e levar até à detenção.


Duas leis devem ser consideradas. Uma delas é a Lei 9.433/97, de Política Nacional de Recursos Hídricos. As infrações previstas por essa lei podem variar de advertência até multas diárias ou proporcionais ao dano de até R$ 10 mil, além de interdição e proibição da atividade.


Já sob a Lei 9605/98, que regulamenta atividades nocivas ao meio ambiente, serviços potencialmente poluidores que funcionam sem licença ou autorização correm risco de penalidade de 1 a 6 meses de detenção e multa.


Posso denunciar um poço artesiano clandestino?


Apesar de existirem muitos poços artesianos clandestinos no Brasil, a pesquisa da CEPAS-USP notou que houve um aumento de 9 vezes nas concessões de outorgas para poços no país somente entre os anos de 2010 e 2015.


Se você tem conhecimento de algum poço artesiano clandestino ou de alguma atividade de captação de água ilegal, pode fazer uma denúncia por meio de um formulário no site da Agência Nacional de Águas (ANA).


Quer saber mais sobre poços artesianos totalmente legais? Fale conosco ou peça um orçamento!
1,215 visualizações

Endereços

Sede Pouso Alegre: Rua Cel. Brito Filho, 1930/15B. Fátima I. Pouso Alegre/MG

(35) 99722-4138

São Paulo/SP: Avenida Juscelino Kubitschek, 1455. 4º andar. Vila Olímpia

(11) 96369-2837

Telefones:

0800-591-1812

E-mail

contato@perfurarte.com.br

Perfurarte • 2020