Buscar
  • Perfurarte

Como funciona a perfuração de um poço artesiano?

Atualizado: há 7 dias

A perfuração de poços artesianos é uma atividade especializada que exige profissionais habilitados, registro no CREA e maquinário adequado. Saiba como ela funciona, desde a legislação necessária até os diferentes métodos de perfuração e etapas finais de complementação, como instalação da bomba e revestimento



A perfuração de poços artesianos é uma atividade especializada que exige profissionais habilitados, registro no CREA (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia) e maquinário adequado.


Saiba como funciona um poço artesiano, desde a legislação necessária até os diferentes métodos de perfuração e etapas finais de complementação, como instalação da bomba e revestimento.


Quem faz poços artesianos?


Poços artesianos são perfurados por empresas especializadas, com profissionais habilitados e maquinário adequado capaz de atingir grandes profundidades.


Toda boa empresa possui sondadores e técnicos de manutenção experientes, profissionais com registro no CREA e equipe técnico-comercial pronta para realizar visitas técnicas, atender clientes e resolver quaisquer dúvidas.


Primeiro passo: estudo de viabilidade


Antes de perfurar um poço, é preciso realizar um estudo de viabilidade para determinar se o terreno é adequado e propício, além de solicitar uma licença ambiental.


A construção de poços artesianos é considerada uma intervenção ambiental, logo, é preciso ter uma autorização de perfuração antes do início da obra.


Para obter essa autorização, é necessário fazer relatórios técnicos importantes, que só podem ser assinados por um profissional com registro no CREA, como um geólogo ou um engenheiro de minas.


Toda empresa de perfuração séria possui tais profissionais habilitados e realiza esse processo de licenciamento junto a seus clientes, cumprindo a legislação e todas as normas técnicas e de segurança exigidas para esse tipo de obra.


Perfuração: solo, maquinário e métodos


Ao perfurar o solo, dois tipos principais de rochas podem ser encontrados, dependendo das características hidrogeológicas da região:

  • Rochas cristalinas, também chamadas de magmáticas, como granito, basalto e diorito.

  • Rochas sedimentares, formadas pelo acúmulo de sedimentos, como arenito, argila e calcário.

O estudo de viabilidade leva em consideração o tipo de rocha para fazer um projeto de perfuração adequado.


A máquina que realiza a perfuração é chamada de perfuratriz. Dependendo do tipo e qualidade da rocha e da profundidade do poço, três principais métodos de perfuração podem ser utilizados:

  • Percussivo: esse método usa dois mecanismos para fazer a perfuração. Enquanto um peso é erguido e derrubado para fragmentar a rocha, as paredes são desenhadas por uma espécie de tubo giratório. Era muito utilizado antigamente.

  • Rotopneumático: esse método também utiliza dois mecanismos. Enquanto um martelo pneumático impacta e fragmenta a rocha, uma broca gira e tritura essa rocha fragmentada para criar o furo. É a tecnologia mais utilizada hoje em dia.

  • Rotativo: esse método é mais comum em rochas sedimentares. Utiliza um mecanismo rotativo que corta e tritura as rochas, levando-as para a superfície através de um fluido especial.

Agora você já sabe como é feito um poço artesiano. Mas ainda não acabou - a perfuração é só uma das etapas, e não garante a presença de água.


Uma vez encontrada a água, o poço pode precisar de complementos, como a instalação de um conjunto de bombeamento, tubulação, revestimento e filtros.



Como funciona um poço artesiano?


Tecnicamente, poço artesiano é aquele cuja água jorra naturalmente. Nestes casos, depois de perfurado, a pressão da água é suficiente para a sua subida à superfície, e ela sai do poço de forma natural.


Poços artesianos jorrantes, no entanto, são muito raros. A maioria dos poços profundos precisa de um conjunto de bombeamento para captar água, e também são comumente chamados de artesianos.


Após a perfuração: bombas e tubulação


Poço perfurado, água encontrada. Ótima notícia! O próximo passo é instalar um conjunto de bombeamento para captar essa água, bem como tubulação para levá-la até a superfície.


Existem ainda etapas complementares, como revestimento, cimentação e instalação de filtros.


Geralmente, usa-se revestimento e cimentação apenas nos primeiros metros perfurados, ou seja, até o início da camada rochosa.


Isso porque essa primeira camada de solo é mais instável e pode conter areia ou pequenas rochas capazes de entupir o poço. Além disso, por ser superficial, pode conter água contaminada, ou seja, água de chuva que entrou em contato com esterco, substâncias agrotóxicas etc.


Pode-se precisar de revestimento mesmo na camada rochosa, no entanto. Isso irá depender da consistência da rocha; as sedimentares, por exemplo, podem ser arenosas e pouco firmes, o que exige revestimento, além de filtros.


No geral, a água encontrada a profundidades de 100 metros ou mais costuma ser de boa qualidade, uma vez que é captada de aquíferos e filtrada naturalmente pela camada rochosa. Testes de potabilidade são recomendados, contudo.


Última etapa: outorga


O último passo da perfuração envolve o pedido de outorga para uso da água.


A água é um bem do Estado ou da União. Para utilizá-la para fins particulares, é preciso obter uma autorização junto a órgãos estaduais competentes.


Essa autorização envolve o cumprimento de algumas etapas, como instalação de hidrômetro, testes de vazão e análises de qualidade.


Esse processo, da mesma forma que a licença de perfuração, é obrigatório por lei, e pode ser realizado pelos mesmos profissionais habilitados.


Dependendo da vazão e do uso diário de água, é possível obter uma dispensa de outorga e ficar livre desse compromisso. Se o seu poço não se encaixar nos requisitos para a dispensa, uma outorga será concedida.


A outorga tem prazo de validade – em São Paulo e Minas Gerais, por exemplo, vale por cinco anos. Para continuar tendo o direito de usar a água subterrânea, é só renová-la antes do vencimento.

Quer saber mais sobre a perfuração de poços artesianos? Entre em contato conosco ou peça um orçamento!
287 visualizações

Endereços

Sede Pouso Alegre: Rua Cel. Brito Filho, 1930/15B. Fátima I. Pouso Alegre/MG

(35) 99722-4138

São Paulo/SP: Avenida Juscelino Kubitschek, 1455. 4º andar. Vila Olímpia

(11) 96369-2837

Telefones:

0800-591-1812

E-mail

contato@perfurarte.com.br

Perfurarte • 2020